Brasil. República Federativa do Brasil
Notícias RSS

contraste

separador

Câmaras Especializadas elegem novos Coordenadores e Adjuntos

Aprovação de Planos de Trabalho se encontra em andamento

Nos dias 8, 11 e 12 de fevereiro, como acontece tradicionalmente no início de cada ano, o Crea-SP realizou, em instalações da Sede Angélica, as primeiras reuniões do ano de suas oito Câmaras Especializadas, oportunidades em que foram eleitos, em votação secreta, conforme previsto no Regimento Interno, seus novos coordenadores e adjuntos para o mandato 2019. 

CÂMARA ESPECIALIZADA DE AGRONOMIA


Apuração dos votos na CEA
 

Para a coordenação da Câmara Especializada de Agronomia – CEA, os conselheiros reconduziram o Eng. Fábio Olivieri de Nobile, representante do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos, à condição de coordenador, e, para o cargo de coordenador adjunto, foi escolhido o Eng. Valério Tadeu Laurindo, da Associação Araraquarense de Engenharia, Arquitetura e Agronomia.


Eng. Fábio Olivieri de Nobile, novo coordenador da CEA, conduzindo a reunião da Câmara ao lado do adjunto, Eng. Valério Tadeu Laurindo
 

O fato de a recém-empossada Diretoria do Crea-SP contar com três conselheiros da CEA anima o Eng. Fábio, que pretende aperfeiçoar o método de trabalho adotado no ano passado, particularmente quanto à contribuição dos conselheiros na relatoria de processos, participação em eventos e promoção de palestras com temas da área.


Conselheiros discutem assuntos da pauta
 

“Queremos um ano histórico para a Câmara, uma vez que temos os diretores de Entidades de Classe e de Relações Profissionais, além do vice-presidente do Conselho”, disse Nobile.


Integração de conselheiros experientes com membros em novo mandato confere harmonia entre agrônomos
 


À esquerda, o Diretor de Relações Profissionais do Crea-SP: ideias pioneiras na Câmara
 

O Diretor de Relações Profissionais do Crea-SP, Eng.William Alvarenga Portela, compartilha da posição do coordenador reeleito e reforça a importância de estreitar relações entre a Câmara e direção do Conselho. “Agora com essa proximidade entre os conselheiros da Câmara e o presidente – explicou o diretor –, acredito que a relação vai se estreitar muito e trará benefícios para o Crea-SP como um todo, porque a CEA, assim como as outras, tem boas ideias, algumas pioneiras, que agora levaremos para a Diretoria”.


Engenheiros Fábio e Valério, coordenadores em 2019

 

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Os conselheiros da Câmara Especializada de Engenharia Elétrica – CEEE elegeram os Engenheiros Rui Adriano Alves, representante da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos do Município de Guarulhos, e Álvaro Martins, da Universidade Paulista, respectivamente como coordenador e coordenador adjunto, que conduziram os trabalhos da primeira reunião do ano, iniciando pela discussão da consulta feita ao Crea-SP pelo Ministério Público do Trabalho em São Paulo – MPT-SP, que  questiona a competência dos instrutores e responsáveis técnicos que ministram os cursos de Segurança do Trabalho em NR-10, bem como sobre a emissão de autorizações para atuar em instalações e serviços.


Engenheiros Rui e Álvaro: assuntos prioritários na ordem do dia

A ação é desdobramento da negociação em andamento entre o Conselho e o MPT-SP para se firmar um convênio entre as partes. “Queremos fechar um convênio com o MPT-SP, para evitar que acontecimentos como a morte por eletrocussão de um garoto durante o carnaval de 2018, aqui próximo à sede do Crea-SP, jamais volte a acontecer”, afirmou o coordenador, ressaltando ainda que dará atenção especial aos casos de sombreamento na modalidade de Telecomunicações.


 

Membro da CEEE, o novo diretor administrativo do Crea-SP, Eng. Eletric. Edson Navarro, definiu sua função de interlocutor entre a Câmara e a Presidência.  “O representante da Câmara na Diretoria é importante, porque muitas vezes as reivindicações dos conselheiros carecem da sensibilidade de um diretor para serem analisadas”, disse Navarro.


A participação dos conselheiros na reunião da Câmara: palavra aberta a todos


Álvaro e Rui afinados na coordenação da CEEE
 

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA AGRIMENSURA

São os novos coordenador e coordenador adjunto da Câmara Especializada de Engenharia de Agrimensura – CEEA os Engenheiros Fernando Schenkel, da Associação Profissional dos Engenheiros Agrimensores no Estado de São Paulo, e Paulo de Oliveira Camargo, representante da Faculdade de Ciências e Tecnologia de Presidente Prudente, que assumem a condução dos trabalhos em um ano que promete ser importante para o mercado, com a implantação do SINTER, programa administrado pela Receita Federal que reúne informações ligadas à titularidade dos imóveis. “É um assunto que vai ter grande repercussão no Brasil inteiro, como foi o caso anteriormente do georreferenciamento de imóveis rurais”, comentou Schenkel, reforçando que este novo cadastro municipal exigirá profissionais da modalidade habilitados.


Engenheiros Schenkel e Paulo Camargo: ao lado, os membros da CEEA com funcionários do Conselho
 

O novo coordenador disse ainda que a Câmara dará ênfase à fiscalização, ainda que a área guarde suas peculiaridades e dificuldades. “Como na Agrimensura não há placas de sinalização nas obras, e estas têm duração diferenciada das demais da Engenharia, nem sempre com um profissional presente, em razão de sua sazonalidade, de fato a fiscalização é mais difícil –  afirmou o Eng. Fernando Schenkel –, mas ainda assim traçaremos um plano para cumprir o objetivo do Sistema”.

 

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA QUÍMICA


Apresentação da chapa única: unanimidade do grupo
 

Os Engenheiros Francisco Innocencio Pereira, representante da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Monte Alto, e Vivian Karina Bianchini, da Universidade de Franca, foram eleitos coordenador e coordenadora adjunta da Câmara Especializada de Engenharia Química – CEEQ, e assumem com a missão de minimizar o gargalo da fiscalização na indústria paulista, cujo passivo é de cerca de 80 mil empresas.


Ao centro, Eng. Marcelo, diretor de Educação do Crea-SP
 

“No processo de elaboração do Plano de Fiscalização para este ano vimos que o Crea-SP tem muito trabalho a ser feito: fiscalizamos apenas 3% do potencial das indústrias da área tecnológica, mas estamos progredindo”, disse o novo coordenador. As perspectivas de trabalho na Câmara contemplam a aproximação com a CETESB, cujo fornecimento de informações ajudará muito a fiscalização do Crea-SP, e o bom andamento da análise de processos. “A Câmara não tem nada em atraso e a gente pretende manter esse ritmo, para evitar processos parados”, afirmou o coordenador, reforçando que, além de acompanhar o ritmo do Crea-SP, a CEEQ deverá priorizar a valorização dos profissionais.


Eng. Francisco, novo coordenador: linha direta da CEEQ com a Diretoria
 

O Eng. Marcelo Alexandre Prado, diretor de Educação do Crea-SP e conselheiro da CEEQ, reconheceu que essa dupla função aumenta sua responsabilidade perante os colegas, uma vez que possibilita estabelecer linha direta entre Câmara e Presidência, uma com suas reivindicações e outra com a sensibilidade necessária para análise e aprovação das propostas. Marcelo elogiou as mais recentes ações de fiscalização impetradas pelo Conselho. “Quando o Crea-SP faz uma blitz com várias equipes de Agentes Fiscais em uma determinada região do Estado – explica o diretor –, torna muito mais efetivo e eficiente o seu trabalho, o que nos dá plena esperança de que a tendência é melhorar”.


Acima, membros da Câmara com funcionários do Crea-SP
 

CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS


Eng. Alexandre Sayeg Freire dirimindo dúvidas sobre o processo eleitoral
 

Foram escolhidos como coordenador e coordenador adjunto da Câmara Especializada de Geologia e Engenharia de Minas – CAGE os Geólogos Sebastião Gomes de Carvalho, representante da Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro, e Edilson Pissato, do Instituto de Geociências da USP.


Na Comissão Eleitoral, Geólogos Ronaldo Malheiros Figueira e Daniel Cardoso, diretor de Valorização Profissional 
 

Na reunião, membros da Câmara recomendaram a participação da CAGE no EcoSP, evento a ser promovido pelo Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo em 21 e 22 de março, e no Progeo 2019, congresso de profissionais das Geociências promovido pela Federação Brasileiro de Geólogos, que acontece de 14 a 17/5.


Geólogos Sebastião e Edilson na nova coordenação da CAGE


CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA MECÂNICA E METALÚRGICA


À direita, o coordenador interino da CEEMM, Eng. Dalton Edson Messa
 

Os Engenheiros Sérgio Ricardo Lourenço, representante da Fundação Universidade Federal do ABC, e Fernando do Eugênio Lenzi, da Associação dos Arquitetos, Engenheiros, Agrônomos e Agrimensores da Região de Amparo, são os novos coordenador e coordenador adjunto da Câmara Especializada de Engenharia Mecânica e Metalúrgica – CEEMM.


Na Comissão Eleitoral, os Engenheiros Edenírcio Turini, José Manoel Teixeira e Antônio Fernando Godoy
 

De acordo com o Eng. Sérgio, o ano de 2019 será de muitas discussões técnicas na CEEMM, para reforçar a boa atuação dos profissionais da área e contribuir com melhorais nos cursos ligados à Mecânica e Metalúrgica. “É preciso que as faculdades formem profissionais que correspondam aos anseios da sociedade, de forma a ter um conjunto de atribuições pleno”, disse o coordenador.


Votação tranquila na CEEMM
 

Dentre os assuntos destacados na primeira reunião, os conselheiros, em cumprimento à Resolução nº 111 do Confea, que dispõe sobre a análise das ARTs registradas e os procedimentos para fiscalização da prática de acobertamento profissional, indicaram o Plano de Manutenção, Operação e Controle para Ar Condicionado – PMOC e a manutenção de aeronaves como atividades objeto de fiscalização por amostragem, para averiguação de eventuais infrações quanto a acobertamento profissional.


Engenheiros Sérgio e Fernando na coordenação para 2019
 

“O PMOC foi colocado em pauta porque é uma legislação recente, que precisa ser cumprida, e, por envolver profissionais da área, é preciso entendermos como o mercado atua com relação ao tema, particularmente como estão sendo feitas as contratações”, justificou o novo coordenador, ressaltando que a manutenção de aeronaves é assunto recorrente. “Sabemos que a segurança da indústria aeronáutica depende basicamente de planos de redundâncias e nossa ideia é verificar como as exigências estão sendo cumpridas pelas empresas prestadoras desse tipo de serviço, estritamente técnico e profundo”, pontuou Lourenço.


 


CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO


À direita, Eng. Gley Rosa, coordenador em 2018

A coordenação dos trabalhos da Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho – CEEST será feita pelos Engenheiros Maurício Cardoso da Silva, representante da Associação Paulista de Engenheiros de Segurança do Trabalho, e Maria Amália Brunini, da Faculdade Doutor Francisco Maeda, de Ituverava. Um dos destaques do Plano de Trabalho para este ano, em fase de aprovação, propõe a fiscalização de empresas e profissionais que lidam com os mais diversos usos de contêineres, na esteira do incêndio que vitimou 10 jogadores de base do time do Flamengo em seu centro de treinamento.   


Na Comissão Eleitoral, os Engenheiros Elio Lopes dos Santos e Fernando Antônio Cauchik Carlucci
 

“O Plano de Trabalho para 2019 – expôs o coordenador – deve visar especialmente a parte social, exatamente no que diz respeito à mão de obra, isso porque a Engenharia de Segurança do Trabalho é essencialmente uma modalidade que se preocupa com a vida do trabalhador”.


Acima, os novos coordenadores da CEEST, Mauricio e Maria Amália
 

Além da preocupação com a utilização de contêineres, os conselheiros aproveitaram-se da primeira reunião do ano para tecer comentários sobre o rompimento da barragem do Córrego do Feijão em 25 de janeiro, que matou mais de 160 pessoas e deixou 155 desaparecidos em Brumadinho (MG). Para os engenheiros da modalidade, instrumentos como o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria de Construção – PCMAT, com métodos e técnicas de reconhecimento, avaliação e controle dos riscos na atividade laboral, são importantes e talvez não tenham sido levados em consideração na tragédia.

“No SEFISC, em Bertioga – lembra Maurício –, comentei que os riscos diminuem quando se tem cuidado com o trabalhador no momento da fabricação ou da construção, porque a preocupação com certeza garante a eficiência”.  


Membros da CEEST, com convidados e funcionários do Conselho
 

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA CIVIL


Na coordenação do processo eleitoral, Tecnólogo José Paulo Garcia (ao centro), ao lado dos Engenheiros Celso Atienza e Fátima Aparecida Blocwitz
 

A Câmara Especializada de Engenharia Civil – CEEC terá o Eng. Paulo César Lima Segantine, representante da Escola de Engenharia de São Carlos, e a Engª Claudia Aparecida Ferreira Sornas Campos, da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Marília e Região, como coordenador e coordenadora adjunta, função esta ocupada pela primeira vez na história da Câmara por uma mulher.

Em discurso de agradecimento pela eleição unânime, o Eng. Paulo César disse aos conselheiros que a sua vitória representa a união do Sistema. “Vocês podem ter certeza de que darei meu máximo e que estarei sempre à disposição desta Câmara, lutarei pelos interesses de todos os Engenheiros Civis seja aqui em nosso Sistema, em nossa Casa, e em nível nacional”, explanou Segantine, que lembrou aos membros da CEEC que tanto ele como a Eng. Cláudia agora também são integrantes da Câmara Nacional de Coordenadores de Engenharia Civil.


Confraternização na Civil
 


Ao centro, Eng. José Eduardo de Assis Pereira, ex-coordenador, ao lado dos Engenheiros Cláudia e Segantine, coordenadora adjunta e coordenador em 2019 
 

Segundo a diretora financeira do Crea-SP e conselheira da CEEC, Engª Lenita Secco Brandão, “o Crea-SP tem registrado momentos históricos quanto à participação da mulher nas atividades classistas do Sistema. A Câmara de Civil é um exemplo disso, trazendo uma ex-diretora do Conselho para a nossa coordenação adjunta no mandato de 2019, e, no meu caso, indicando o meu nome para uma importante diretoria do Crea-SP”.

A conselheira acha que as mulheres podem mais. “As mulheres das Engenharias e da Agronomia – disse Lenita –, se desejam dias melhores para as suas profissões, devem colaborar na elaboração das leis que as suas atividades. Para isso, precisam ocupar o lugar que lhes é devido nas faculdades e no mercado, e as mais vocacionadas ao trabalho associativista, devem integrar-se desde cedo a organismos como o Crea Jovem e a Entidade de Classe de sua cidade. A partir daí, terão uma distância muito pequena para se tornar uma conselheira, uma diretora do Crea-SP e conquistar outros sonhos ainda inéditos no nosso meio, só concretizados quando você tem muita determinação e espírito coletivo”.

 

Produzido pelo Departamento de Comunicação e Eventos do Crea-SP - DCEV
Reportagem: Jorn. Guilherme Monteiro.
Fotos: Claudio Porto e Daylson Santos - Estagiários de Jornalismo. 


  • compartilhar
  • Enviar por e-mail
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Orkut
índice de notícias

Exibir notícias por:

Institucional

Fiscalização

Tecnologia

Clipping










Crea-SP

Av. Brigadeiro Faria Lima, 1059

Pinheiros • São Paulo • SP • CEP 01452-920

Atendimento: 0800-17-18-11